quarta-feira, 22 de julho de 2009

Material Ilustrativo sobre Probióticos!!!!

Assista esse video sobre "Os benefícios das bactérias probióticas no organismo" que complementa de uma maneira ilustrativa a postagem do dia 22 de maio sobre probióticos: http://nutrivanessalobato.blogspot.com/2009/05/actimel-l-case-imunitass.html



Este video foi copiado do site da Danone Brasil - http://www.danone.com.br/profissionais.php?secao=proapoio
Desenvolvido pela Danone Research - Coordenação Dr. Gregor Reid: Canadian R&D Centre for Probiotics e Irene Lenoir-Wijinkoop: International Research Center of Groupe Danone.





video

Att,
Van nutri

Vanessa Lobato Nutricionista Esportiva
#Nutrição Esportiva

segunda-feira, 20 de julho de 2009

ADOÇANTES DIETÉTICOS


O que é adoçante?
Segundo o dicionário Michaelis:
a.do.çan.te
adj m+f (de adoçar) Que adoça. sm Toda substância, natural ou sintética, empregada para adoçar alimentos, bebidas, medicamentos (como açúcar - sacarose, melado, sacarina etc.).



O que é edulcorante?
Segundo o dicionário Michaelis:

e.dul.co.ran.te
adj m+f (de edulcorar) Que edulcora, que adoça; edulcorativo. sm Substância edulcorante.



O que é Adoçante dietético?

Segundo a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária:
São Adoçantes formulados para dietas com restrição de sacarose, frutose e ou glicose, para atender às necessidades de pessoas sujeitas à restrição da ingestão desses carboidratos. As matérias-primas sacarose, frutose e glicose não podem ser utilizadas na formulação desses produtos alimentícios.


ADOÇANTES DIETÉTICOS

Bem, comecei essa postagem com os significados dessas palavras para focá-la no assunto: Adoçantes Dietéticos ou Adoçantes Artificiais!


O QUE NÃO É DITO SOBRE OS ADOÇANTES ARTIFICIAIS
Que é para ser usado para fins especiais, todo mundo sabe, mas poucos respeitam.
Que não pode ser consumido em exagero, muitos também sabem, maaaas ignoram.
Essas são substâncias fabricadas em laboratório a cerca de 150 anos que pensando até parece que é conhecida há anos, mas se compararmos com a quantidade de anos que estamos habitando o planeta Terra... Esses 150 anos não é nada para o nosso código genético – DNA. Assim, será que o nosso organismo está habituado a lidar com essas "novas" substâncias?

Se adoçante não engorda, como o número de obesos aumenta proporcionalmente ao crescimento do consumo de adoçantes?

Vamos lá entender o que acontece no nosso corpo quando consumimos essas substâncias:
Quando consumimos adoçantes esses passam pela boca, onde tem a língua que têm as papilas gustativas que têm receptores que avisam ao cérebro que tipo de substância você está consumindo. Temos receptores para os sabores: amargo, azedo, salgado e doce.
Quando esses receptores percebem que algo doce está passando por ele esse logo avisa ao hipotálamo, parte do cerebelo, que vulgarmente chamamos de cérebro...
Vamos nos colocar no lugar do hipotálamo: você consome o adoçante artificial, esse ativa receptores na língua que avisa ao cérebro que algo doce está chegando. O seu cérebro fica feliz e contente, pois irá chegar energia para ele – o açúcar – mas, nada chega! Afinal, você está consumindo algo que serve para enganar o seu cérebro – o adoçante artificial.
O cérebro todo feliz prepara tudo para a chegada da glicose... Mas, cadê? Por que não chegou? O cérebro "pensa": Como assim? Eu tenho certeza que passou algo doce pela língua, mas para onde isso foi?
O querido cérebro dá um Comando para o intestino: Aumente a absorção de açúcares! Imagina que o intestino não está dando conta do recado, não está absorvendo, algo errado está acontecendo com esse órgão!
Esse coitado, o intestino, aumenta a absorção de carboidratos. Mas, se o consumo foi somente de um chá, por exemplo, com adoçante, NÃO tem carboidratos, então NADA é absorvido!
Então, o cérebro, INDIGNADO, dá outro comando: COMA AÇÚCAR!!!!!!! Eu já preparei tudo aqui dentro para a chegada da glicose, porém nada chegou então você vai consumir glicose, e agora!
Pergunto: Alguma vez você sentiu aquela vontade louca, do nada, de comer um docinho?...
Têm outros mecanismos que dão esse sinal de alerta também, como a falta de alguns nutrientes, mas é muito comum o consumo de adoçantes dietéticos aumentarem essa vontade por carboidratos!

Ah! Já ia me esquecendo, tem mais: Quando o adoçante dietético é absorvido esse não é metabolizado pelo nosso fígado! Mas, isso é bom ou é ruim?
Depende do ponto de vista: para o fígado é bom, pois não tem que trabalhar, mas para o corpo é ruim. O que acontece é: se o CENTRO do metabolismo – o fígado – não soube ou não reconheceu essa substância para metabolizá-la, o restante do corpo saberá menos ainda... "Metabolizar significa modificar a substância para que essa seja eliminada pelos rins na forma de urina".
Atualmente, está crescendo o número de artigos científicos, bem conduzidos, mostrando que essas substâncias podem ficar no nosso corpo por mais tempo que o esperado e estimular em excesso o nosso querido cérebro podendo causar: hiperatividade nas crianças ou nos adultos, mal de Alzheimer e mal de Parkinson.
Por que isso acontece? Bem, substâncias tóxicas, ou mal metabolizadas ou não metabolizadas pelo nosso fígado, quando consumidas em excesso, tendem a ficar no nosso corpo, como não podem ficar circulando livremente na corrente sanguínea ficam armazenadas em tecidos de gordura.
O nosso cérebro é composto por 60% de gordura – recordam da bainha de mielina, um isolante que faz com que os impulsos elétricos saltem e assim cheguem mais rápido ao seu destino... Então essa bainha é feita basicamente de gordura!


Bem, a partir de hoje pense bem antes de espirrar um jato de adoçante na sua bebida, ou de trocar TODOS os alimentos "originais" por "diet/light/zero".

Após dar um nó na sua cabeça, pois você não sabe mais se consome açúcar ou adoçante, digo:

"Pense saudável: reduza tanto o consumo de açúcares quanto o de adoçantes dietéticos – Pense anti-saudável: mantenha o consumo de açúcares e adoçantes artificiais..."

Diabéticos, necessitam de uma restrição severa no consumo de açúcares, esses poderão consumir adoçantes, desde que de uma maneira controlada E visando aprender a consumir os alimentos in-natura, sem a necessidade de sentir o sabor EXAGERADO do doce no seu dia-a-dia!
. Será que é necessário acrescentar algum adoçante num suco de laranja que foi preparado com 4-5 unidades de frutas? Você gosta do sabor do café/chá ou do adoçante? Pense nisso!


AGORA VAMOS PARA O QUE TODOS DIZEM SOBRE OS ADOÇANTES ARTIFICIAIS

Breve histórico:
Em 1879 foi sintetizado o primeiro adoçante dietético: a sacarina. Essa foi bem utilizada em épocas de guerra, pelo seu baixo custo de fabricação e pela dificuldade de acesso ao açúcar branco (SBD – Sociedade Brasileira de Diabetes).
O aspartame foi descoberto acidentalmente nos anos 60 pelo pesquisador James M. Schatter, que aquecia um composto em um frasco contendo metanol quando a mistura espirrou para fora do frasco e caiu-lhe nos dedos. Minutos após, levando o dedo à boca para folhear um livro sentiu um sabor extremamente doce, descobrindo o fortíssimo poder edulcorante do aspartame (SBD – Sociedade Brasileira de Diabetes).

DIFERENÇAS:
Entre Adoçantes e adoçantes dietéticos
Adoçantes: Açúcar refinado, mascavo, mel, melado, dextrose, maltodextrina: são carboidratos simples, produto natural, com "normal/adequado" poder de adoçante, e tem aproximadamente 4kcal/g do nutriente;
Adoçantes dietéticos: Sacarina, ciclamato, aspartame, acessulfame-k, stévia, sucralose, sorbitol, manitol, xilitol: Substâncias químicas, com alto poder adoçante, e com baixíssimo valor calórico. Essas substâncias têm calorias, porém na quantidade que consumimos o valor calórico é mínimo – inferior a 1 kcal/g.

Entre Diet X Light X Zero
Segundo a ANVISA:
DIET:
São os alimentos especialmente formulados ou processados, nos quais se introduzem modificações no conteúdo de nutrientes, adequados à utilização em dietas, diferenciadas e ou opcionais, atendendo as necessidade de pessoas em condições metabólicas e fisiológicas específicas.

São alimentos para dietas com RESTRIÇÃO de carboidratos, OU RESTRIÇÃO de gorduras, OU RESTRIÇÃO de proteínas, OU RESTRIÇÃO de sódio.
. LIGHT:
É qualquer representação que afirme, sugira ou implique que um alimento possui uma ou mais propriedades nutricionais particulares, relativas ao seu valor energético e o seu conteúdo de proteínas, gorduras, carboidratos, fibras alimentares, vitaminas e ou minerais.
ZERO:
Igual a Diet.

Mas, para o marketing a palavra "zero" é melhor assimilada como saudável do que a palavra diet que, atualmente, é mais relacionada à diabetes!

Resumindo: diet
é isenção de um nutriente, que pode ser o açúcar, ou o sal, ou a gordura, o que vemos geralmente é isenção do AÇÚCAR. Light é a redução de valor calórico, em comparação com o original, através da redução de um nutriente que pode ser açúcar e/ou gordura. Zero = Diet.


CONSUMO:
A ABIAD – Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Dietéticos e para Fins Especiais –
em 2003 realizou uma pesquisa de mercado diet/light e verificou que houve um aumento de 1875% no consumo desses alimentos, tudo porque 40% da população acha que o consumo dos adoçantes artificiais deve-se por precisarem por um motivo de saúde e 45% pra emagrecer ou por ser uma opção mais saudável. Mas, será que serve para emagrecer de maneira saudável já que há um aumento concomitante no número de obesos?


TIPOS DE ADOÇANTES:
Sacarina - Tem poder adoçante 500 vezes maior do que a sacarose - açúcar. Em altas concentrações deixa sabor residual amargo, e não é metabolizado pelo organismo. Ingestão
limite Segura: 5 mg/kg de peso corpóreo.

Ciclamato - Poder adoçante, é 40 vezes mais doce que a sacarose, não calórico e possui sabor agradável e semelhante ao açúcar refinado (apresentando um leve gosto residual). Não é metabolizado pelo organismo. Ingestão limite Segura: 11 mg/kg de peso corpóreo – equivalente: Pó: 0,24 envelopes/ kg peso corpóreo e Líquido: 1,2 gotas/ peso corpóreo.
Aspartame - Possui sabor agradável e semelhante ao açúcar branco, só que com potencial adoçante 200 vezes maior, permitindo o uso de pequenas quantidades. Muito usado pela indústria alimentícia, principalmente nos refrigerantes diet. É contra-indicado a portadores de fenilcetonúria, uma doença genética rara que provoca o acúmulo da fenilalanina no organismo, causando retardo mental. Ingestão limite Segura: 50 mg/kg de peso corpóreo – equivalente: Pó: 1,05 envelopes/ kg peso corpóreo e Líquido: 8 gotas/ peso corpóreo.
Acesulfame-k - Adoça 200 vezes mais que a sacarose, seu gosto doce é percebido de imediato e em grandes doses deixa um leve sabor residual amargo. Não é calórico e nem metabolizado pelo organismo. Pode ser usado como adoçante de mesa e numa infinidade de produtos. Ingestão limite Segura:
15 mg/kg de peso corpóreo.

Stevia - Steviosídeo, edulcorante natural de sabor doce retardado com poder adoçante 300 vezes maior do que a sacarose. Ingestão limite Segura: 5mg/kg de peso corpóreo.
Sucralose - Edulcorante sintético com poder adoçante 600 vezes maior do que a sacarose. Não é calórico e possui sabor agradável. Ingestão limite Segura: 5mg/kg de peso corpóreo.
Sorbitol - Substância natural presente em algumas frutas, algas marinhas etc. Tem o poder edulcorante igual ao da sacarose e similar ao da glicose, não sendo aconselhável a pacientes obesos e diabéticos mal controlados. Fornece 4 calorias/grama e ao ser absorvido se transforma em frutose no organismo. A frutose é transformada em glicose no fígado, mas como o processo é lento, não altera significativamente a glicemia.

QUANTIDADE MÁXIMA PARA CONSUMO:

No texto acima há a quantidade limite para consumo que aparentemente é bem alta, mas lembre-se que hoje há adoçantes artificiais nos refrigerantes light/zero, nas águas saborizadas, nas gelatinas, nas geléias, nas águas com gás, nos doces, nos chocolates, nas balas e chicletes, enfim em vários alimentos!!!!!

CRIANÇAS PODEM CONSUMIR ADOÇANTES?
Não há uma contra-indicação formal ao consumo nessa faixa etária, mas se o consumo adulto deve ser para pessoas com necessidades de restrições específicas como o caso de diabetes, para crianças o raciocínio deve ser o mesmo. IMPORTANTE: no primeiro ano de vida NÃO é aconselhável a adição de açúcares na alimentação da criança, assim também NÃO deverá adicionar adoçantes.
... Complementando: NÃO é aconselhável a adição de açúcares na alimentação da criança, do adolescente, do adulto, do idoso.... rsrsrs




Att,
Van nutri

Vanessa Lobato Nutricionista Esportiva
#Nutrição Esportiva

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Camellia Sinensis e a sua diversidade de infusões – Grupo dos chás das “cores”...


No Brasil cada vez mais está aumentando o número de pessoas que consomem chás. Esses têm propriedades terapêuticas que justifica esse aumento como é o caso dos chás derivados da folha Camellia Sinensis.
O primeiro chá que os brasileiros conheceram dessa folha foi o chá preto, depois veio o oolong, o verde, o
branco, o vermelho e agora o mais recente o AMARELO. Mas, porque tanta gente quer consumir as infusões derivadas dessa folha?

O que justifica é a presença, principalmente, das catequinas.
Catequinas: É um polifenól com potente ação antioxidante e antiinflamatória. Portanto, o consumo dessa substância oferece diversos efeitos protetores ao organismo, devido a redução do processo inflamatório de uma maneira geral, auxiliando na prevenção do desenvolvimento de doenças crônicas como o câncer, diabetes e doenças cardiovasculares, além de poder auxiliar na perda de peso (devido ao seu efeito termogênico comprovado), quando associado a outras mudanças na alimentação e hábitos de vida.

Mas, se todos vêm da mesma folha, quais as diferenças entre eles?A diferença está no processo químico de oxidação e no momento da colheita, veja abaixo mais detalhes:
  • CHÁ PRETO:É produzido a partir da fermentação total da folha e depois é aquecido e seco.Nesse processo ocorre oxidação total (perda) das catequinas, que são transformadas em teaflavinas e toarubiginas.
    A capacidade antioxidante total das infusões de chá preto é semelhante a do chá verde mostrando que as teaflavinas são tão eficientes como as catequinas.
  • CHÁ OOLONG:
    É um intermediário entre os tipos verde e preto, sendo produzido por aquecimento por ar por 1 a 2 horas.
    Tem uma boa quantidade de catequinas
  • CHÁ VERDE:O processo de fermentação ocorre logo após a colheita e secagem para que sejam inativadas as enzimas que degradam as catequinas.É o chá que mais têm comprovações científicas de benefícios do consumo.
  • CHÁ BRANCO:
    É colhido quando as folhas ainda estão bem jovens. É denominado chá "branco" porque é produzido a partir dos brotos da planta, que estão cobertos com os chamados "cabelos brancos prateados". Esse processo ocorre apenas uma vez por ano, assim a colheita é realizada UMA vez por ano.
    É suposto que, por ser obtido das folhas mais jovens da Camellia Sinensis, apresentam maior concentração de catequinas, garantindo assim um maior efeito benéfico.
  • CHÁ VERMELHO:Passa por um processo de fermentação longo, que o torna diferente do chá verde em diversos aspectos, porém ainda não temos comprovado cientificamente quais as substâncias presentes neste chá e suas concentrações que serão responsáveis pelo efeito benéfico.
  • CHÁ AMARELO:
    O processo de secagem é similar ao chá verde, mas com uma fase mais curta para secar. O processo de fazer um bom chá amarelo é tedioso e toma muito tempo. É o menos produzido e provavelmente o menos conhecido dos chás. É mais fácil para os agricultores de chá simplesmente fazer chá verde, que é o mais comercializável. Embora não tão prestigiado e caro como o chá branco o chá amarelo para os dias de hoje é muito raro, mesmo na China. As folhas de chá são colhidas como folhas destinadas a tornarem-se chá verde e são secas da mesma forma.
    Assim como o vermelho, ainda não existem estudos científicos que determinaram as concentrações das substâncias presentes nesse chá, portanto, não podemos dizer ao certo quais são os seus benefícios em relação ao chá verde e ao chá branco.
    Curiosidade: Existem dois tipos de chá que são chamados de "chá amarelo": O primeiro é o verdadeiro chá amarelo, que é amarelo na aparência e é feito especificamente para remover o sabor de ervas do chá verde. O outro "chá amarelo" são os diferentes chás que foram pagos ao imperador chinês como tributo a cada ano pelos camponeses. Amarelo era a cor real e todo o chá que foi pago a título deste tributo (uma forma de imposto real), foi popularmente chamado de "chá amarelo", uma vez que basicamente foi para encher as lojas da família real. No entanto, esses chás não eram de cor amarela e não são interessantes para os nossos propósitos - http://www.amigosdocha.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=24&Itemid=28.

IMPORTANTE: os benefícios dos chás provenientes das folhas da Camellia Sinensis foram diagnosticados das folhas colhidas em solo Chinês! Assim, para garantir esses benefícios devemos consumir chás com essa origem.
Pergunto: Como um chá que é colhido UMA vez por ano, ou outro que é muito pouco produzido está tão presente no mercado brasileiro?

Voltando...
Perguntas e Respostas sobre as infusões:
  • Há contra indicação?
    Devem ser consumidos com cautela ou evitados por pessoas que sofrem de insônia, nesse caso consumir o chá até as 17h para não atrapalhar o sono;
    São contra-indicados para hipertensos, gestantes e lactantes, pois contêm cafeína, que eleva a pressão arterial;
    Pessoas com deficiência de ferro no organismo, pois contêm tanino, que inibe a absorção desse mineral;
    O consumo exagerado (acima de quatro xícaras por dia) pode causar sintomas como taquicardia, náusea, dor de cabeça e problemas gastrintestinais;
  • Qual temperatura ideal para tomar os chás?
    Não existe uma temperatura ideal, mas aconselhamos consumi-lo logo após o preparo. Mas, como é difícil preparar o chá várias vezes durante o dia, os chás podem ser preparados em uma quantidade suficiente para ser ingerido ao longo do dia. Porém, é importante lembrar que ele nunca deve ser reaquecido. Caso a preferência seja de seu consumo quente, é interessante que ele seja consumido então logo após o seu preparo.
    Mais importante que a temperatura para consumo é a maneira que esse chá foi preparado.
    Coloque a água para ferver e assim que surgirem as primeiras bolhas de ar (antes de começar para valer o processo de ebulição), apague o fogo. Acrescente a erva (o ideal são 2 colheres de sopa para 1 litro de água, mas comece com apenas 1 colher, pelo menos até você se acostumar com o sabor do chá) e abafe por 2 ou 3 minutos. Depois é só coar e tomar.
  • Adoçar ou Não adoçar?
    Quando o consumo do chá é com intuito de ter uma ação terapêutica, recomendamos não adoçá-lo.
    Uma dica para suavizar o sabor amargo do chá branco você pode combiná-lo com cidreira, hortelã, erva-doce, casca de frutas (abacaxi ou manga) ou maçã seca. Ou até mesmo acrescentar pauzinhos de canela e cravo da índia.
  • Chás em saquinho ou A granel?
    Os chás em saquinhos podem conter um alto risco de contaminação e ainda não contêm em quantidades adequadas os compostos bioativos que exercem os efeitos benéficos à saúde. Portanto, é importante sempre preferir preparar os chás a partir de suas folhas, desde que sejam de procedência conhecida, com qualidade garantida, assim estaremos garantindo que será consumido um chá que irá promover os efeitos benéficos desejados.

Bem, essas são algumas infomações sobre as infusões das folhas da Camellia Sinensis!
Lembre-se, o consumo de infusões deve ser consciente. O sucesso dos benefícios é dependente da fonte da matéria-prima, do cuidado na colheita, no transporte, no preparo e no modo de consumo, certo!

Atenciosamente,

Att,
Van nutri

Vanessa Lobato Nutricionista Esportiva
#Nutrição Esportiva

segunda-feira, 13 de julho de 2009

HMB – Beta-Hidroxi-Beta-metil-butirato



Atualizado: 01/07/2013

Quando eu escrevi sobre o HMB em 2009, de acordo com o American College o uso do HMB não era incentivado por falta de estudosimages (1), porém por experiência já era sabido que realmente funcionava! Após 4 anos está aí o novo posicionamento do International Society of Sports Nutrition Position Stand: beta-hydroxy-beta-methylbutyrate (HMB)!
Segue algumas informações sobre o HMB.
HMB é um metabólito do aminoácido LEUCINA, assim não é um nutriente essencial, pois temos a capacidade de sintetizá-lo.
"Metabólito quer dizer que está reações químicas a frente de um nutriente (veja a figura abaixo), assim podemos dizer que é mais ativo ou específico para algumas reações".
Função: ANTICATABÓLICO! Fontes alimentares: alfafa, milho e o peixe bagre.
Sintetizamos uma média de 0,3 a 1g/dia, dependendo diretamente da nossa alimentação.
Quais as teorias que justificam o uso do HMB?
TRÊS MECANISMOS
1. Precursor de HMG-CoA redutase:
o Aumenta substratos para reparar e melhorar a integridade do sarcolema – via colesterol.
2. Ação na via m-TOR (mammalian Target of Rapamycin):
o Estimula a síntese protéica via DNA.
3. Inibição da via Ubiquitina-Proteassoma proteolíticas:
o Inibe a degradação de proteínas intracelulares que em processo de catabolismo causam caquexia.
clip_image001

1. Ação como precursor de HMG-CoA: O HmB é precursor do HMB-CoA redutase que é uma enzima responsável pela conversão do HMG-CoA em Ácido Mevalônico que é um substrato que dará origem ao colesterol. O Colesterol é um componente importante para a recuperação celular. Quando treinamos e danificamos as células musculares é necessário estabilizar o sarcolema – parte integrante do músculos, o colesterol ajuda nessa estabilização. A falta de colesterol na reparação muscular pode causar necrose (morte) das células musculares.
2. Ação na via m-TOR: Essa via m-TOR estimula a síntese protéica agindo diretamente no DNA celular.
O aumento intracelular da leucina promove ativação da m-TOR que inibe a autofagia e estimula a Transcrição, Translação do RNAm, Biossíntese dos ribossomos, Proliferação celular, Organização Citoesquelética, tudo para favorecer o crescimento celular = estímulo de síntese de proteínas e consequentemente HIPERTROFIA MUSCULAR!


3. Ação na via-Ub – Ubiquitina-proteassoma proteolíticas: É uma via que consome muito ATP (energia) e quando ativada causa processo catabólicos podendo levar a caquexia. Essa via m-TOR estimula a síntese protéica agindo diretamente no DNA celular. Geralmente a atividade da via-Ub é aumentada em condições de estresse intenso como câncer, fome, exercício físico etc. Não sabe-se a real ação do HMB nessa via, mas há estudos que comprovem que a suplementação de HMB ajuda a inibir a ativação dessa via.
A suplementação de HMB é indicada para fornecer quantidades necessárias de HMG-CoA para a síntese de colesterol e a subsequente reparação de membrana durante os períodos de estresse muscular aumentado.
A principal propriedade do HMB é ser anti-catabólico. O que é muito importante segundo o ACSM – American College of Sports Medicine, que diz que essa propriedade é o que garante o ganho de massa muscular.

Lembra da postagem sobre whey protein (http://nutrivanessalobato.blogspot.com/2009_05_24_archive.html) que durante um treino de hipertrofia sempre há redução de tecido muscular e para que o processo de hipertrofia aconteça tem que haver a super-compensação? Então, o HMB regula o metabolismo protéico, minimiza o processo de catabolismo/quebra de massa muscular durante o dia auxiliando na recuperação celular.
A síntese de HMB pode ser feita pela leucina, porém são necessário 20g de leucina para produzir 1g de HMB;
A indicação de suplementação é de cerca de 3g/dia ou 38mg/ peso corporal – kg/dia. É sugerido o fracionamento dessa suplementação em três doses diárias já que a meia-vida desse suplemento e curta.
Atuais recomendações do International Society of Sports Nutrition, 02 fev 2013:
1. Ação: deve-se a inibição da quebra de proteína e aumento da produção/síntese de proteínas;
2. O HMB pode ser usado para melhorar a recuperação pós-treino, reduzindo a lesão muscular;
3. O melhor momento para consumir o HMB é após o treino;
4. O HMB parece ser mais eficaz se consumido durante duas semanas antes da prova;
5. A dose por kg para ajudar na hipertrofia muscular, força e potência é de 38mg/kg de peso corporal;
6. Apresentação: Duas formas a. HMB-Ca (ligado ao cálcio), b. HMB-FA (forma livre);força idoso
7. Indicação para idosos que precisam aumentar massa magra;
8. Quando associado a ingestão de HMB com um programa de exercícios estruturados ode resultar em maiores diminuições de massa gorda;
9. O consumo crônico (a long0 prazo) de HMB é seguro tanto em jovens quanto em idosos.
OBSERVAÇÃO IMPORTANTE:
QUANTIDADE, HORÁRIO, FREQUÊNCIA E OUTRAS informações sobre o modo de consumo do HMB EU NÃO RESPONDO POIS ISSO DEPENDE DE VÁRIOS FATORES que dever ser avaliados individualmente levando em conta as necessidades nutricionais, a rotina alimentar e os objetivos!!!! Agradeço a compreensão!
Att,
Van nutri
Vanessa Lobato Nutricionista Esportiva
#Nutrição Esportiva